Rogério Ceni está fora do São Paulo e o clube se mostra mais perdido ainda.

03/07. Quase 8 meses após sua confirmação como técnico da equipe São Paulina, Rogério Ceni deixa o comando da equipe numa fase horrível, tenebrosa e obscura. A saída do treinador é mais um motivo que leva todos a confirmarem um dos maiores problemas que o São Paulo Futebol Clube vem tendo a mais de 5 anos. Falta de planejamento e manutenção financeira e administrativa.

Um clube que sempre se gabou pelas inúmeras conquistas que obteve durante os anos, o mais vitorioso hoje se esconde embaixo de suas taças que podemos afirmar estarem manchadas pelo acúmulo de sofrimento e despreparo que venha tendo. É inevitável aceitar a situação do São Paulo Futebol Clube sabendo o que representa o São Paulo Futebol Clube para seus torcedores e admiradores.

Rogério hoje torna-se mais um dos inúmeros técnicos que passaram pelo São Paulo em 9 anos e assim como todos, com exceção de Muricy, com menos de 1 ano de trabalho. Diferente da maioria, tinha contrato de 2 anos, infelizmente, como todos, não teve apoio e confiança em seu trabalho e o planejamento foi novamente jogado no lixo. Não se monta um time de futebol apenas com peças rápidas que podem ser descartadas dias depois, NÃO SE MONTA UM TIME DE FUTEBOL APENAS PARA SE REELEGER. É ridículo pensar e saber que Rogério Ceni e todo seu planejamento colocado apenas como bote de eleição. Rogério Ceni é ídolo, menor que o São Paulo sim, mas muito maior que qualquer dirigente que possa imaginar nos levantar novamente. Tem sim sua parcela de culpa, claro, mas quem trabalha com falta de ferramentas? Quem trabalha bem com mudanças diárias que afetem seu trabalho diariamente!? A queda de Rogério é completamente nítida a uma falha e fraca manutenção de planejamento e respeito, não só com o profissional mas principalmente com o torcedor São Paulino. Porém não vou falar de Rogério Ceni aqui, mas sim da ridícula falta de planejamento.

Uma pré-temporada muito bem feita, um título, por menor que seja, conquistado, um paulista perdido por um derrota em casa diante de um apagão geral da equipe e comissão que deram ouvidos à imprensa. Uma Sulamericana perdida por falhas e um início ridículo de Campeonato Brasileiro, tudo isso somado a vendas, vendas e mais vendas. Tudo isso somado a jogadores perdidos no elenco que se desmanchava, outros que chegavam e viam um planejamento escasso. Confiar na nossa diretoria hoje é tão incerto quanto a permanência do flanelinha até o final do jogo em um Morumbi lotado, diferentemente, o flanelinha é transparente conosco.

Mais um vez vemos o sangue vermelho, branco e preto jorrar, não há nada que possamos fazer a não ser continuar apoiando os que entram em campo por nós e àquele que possa vir a dirigir agora nossa equipe. Que seja Dorival, o unico que consigo ver com plenas condições.

O Morumbi está novamente manchado, que abaixemos a cabeça e que esqueçam a soberba que tanto ronda o Cícero Pompeu de Toledo, Diretoria. Vocês precisam abrir os olhos, gerenciarem como São Paulinos, amarem o clube acima de qualquer coisa. Se a compra e manutenção de bons jogadores foi importante, quintem então as dívidas com o desmanche feito e nos deem a porra de um título que seja. Estamos cansados de ver ídolos se queimarem, de ver a tristeza de um Morumbi vazio, se vocês querem que o Morumbi lote, sejam inteligentes e trabalhem PARA O SÃO PAULO FUTEBOL CLUBE.

Que Telê nos guie e nos acompanhe nesse segundo semestre e que Deus esteja ao nosso lado. Estaremos sim, SEMPRE, ao lado do São Paulo Futebol Clube, só queremos que além dos torcedores, a cúpula São Paulina não deixe morrer o clube mais vitorioso do Brasil. Já passou da hora de se reerguer e eu achei que nunca fosse falar isso e não queria falar isso, mas ta na hora de se esplhar em rival que leva duas de nossas cores e começar a se planejar melhor e dar ao técnico confiança e tranquilidade em seu trabalho.

Obrigado, M1TO, ainda escreverei para você!

Obrigado Diretoria, por fazer cada vez mais merda na maior paixão da minha vida.

Obrigado torcedor São Paulino, sei que assim como eu, nunca abandonará essa equipe, independente do que aconteça.

VAMOS SÃO PAULO CARAJO! (por favor…)

É dia de clássico, é dia de ver a Majestosa camisa Vermelha, Branca e Preta jogar.

Dizem que em dia de clássico nem mesmo o mais traquilo dos torcedores consegue se aquietar em sua casa ou no trajeto que o leva ao estádio. O acordar já é pensando nos 90 minutos que o farão vibrar e torcer por sua equipe. Equipe essa que é Tricolor, que leva no peito o amor e a as cores em seu sangue. Que entra em campo sabendo que acima de qualquer coisa existe um amor, existe uma paixão, existe um nome, existe o São Paulo Futebol Clube.

Clássico é sim diferente, majestoso é sim diferente. Toda mística, toda a vivência, todos os pontos que ligam as linhas fazem dele ser especial. Não existe sentimento melhor do que presenciar um Majestoso no estádio, só quem já teve essa oportunidade e teve a oportunidade de sair vitorioso sabe o quão perfeito seu dia, sua noite, sua semana fica.

Aaah o majestoso, aquele em que Raí voltou da França e nos deu um título. Aquele em que Rogério, Luizão, Danilo e uma pintura de Cicinho fizeram os torcedores Tricolores no Pacaembú gritarem e vibrarem e os alvinegros derrubarem lágrimas. Aquele em que Amoroso colocou a zaga preto e branco para dançar e tivemos a infelicidade de anularem o jogo, beneficiando assim o adversário. Aqueles em que o Fabuloso parou na esquina e que também deixou o goleiro Cássio derrapando em berço esplêndido. Aquele em que Ganso acertou a coruja. Aquele em que Douglas calou o Pacaembú e claro, aquele em que Cuevadinh4, Chavão e os meninos de Cotia, David Neres e Luiz Araújo colocaram os arqui-rivais para dançarem no Sacrosanto.

Hoje é diferente, hoje temos o melhor atacante em atividade no Brasil. Temos Pratto! Do lado do adversário temos um bom atacante também, perigoso, mas mais perigoso que ele, é o medo de acharmos que somos inferiores. Como ser inferior se na história somos superiores? Como achar que eles tem mais time, se nossas conquistas são muito maiores. Medo? Me desculpem, mas medo eu tenho de coisas muito mais grandiosas. Somos São Paulo Futebol Clube, time de Leônidas, de Serginho Chulapa, Waldir Peres, Careca, Raí, Mineiro, Chula, Dagoberto, Kaká, Ganso, Lugano, Luís Fabiano, Lucas e é claro, de Rogério Ceni. Se existe uma seleção para ser montada com jogadores que atuaram e honraram a camisa do São Paulo, nós faríamos duas.

Entraremos em campo hoje com cada um dos 11 selecionados. Estaremos com eles a cada minuto em campo. Existe sim um tabú a ser quebrado, mas como já dito, maior que o tabú que você encontra pela frente, é o medo que possa vir a te consumir, mas não existe medo quando se é o maior que ele.

Sabemes e conhecemos nosso potencial, somos São Paulo, São Paulo Futebol Clube, mais Majestosa que o próprio Majestoso, somente nossa história e nossa camisa vermelha, branca e preta.

VAMOS SÃO PAULO, CARAJO!

Foto: Mauricio Rummens

São Paulo 2×0 Vitória. Na minha casa mando eu e eu sirvo o Pratto que eu quiser.

Foi mais uma noite tranquila no Sacrosanto, boa para chegar ao estádio, sem problemas, com clima agradável e como sempre a emoção tomando conta de cada passo até a cadeira que nos leva a assistir a partida.

Creio não ser o único, mas não existe sentimento melhor do que receber a liberação das catracas que nos dão a entrada para o Morumbi. Mesmo fazendo isso há 12 anos, sempre a euforia e ansiedade tomam conta de mim. A água tomada rápida, o lanche que se come mais rápido ainda, o jogo que começa em horas mas que já contamos antes de pensar na bola se mover. É, não é apenas mais um jogo no Morumbi, é o São Paulo, no Morumbi. Se me sinto bem escrevendo em casa sobre o São Paulo, imaginem no Morumbi, com o São Paulo.

Vamos ao jogo.

Era nítido que o time do Vitória iria jogar no nosso erro, porém, quando se passa segurança para a equipe, o erro é apenas um fato distante a ser tomado. A marcação forte de nosso 3 zagueiros, sem protagonismo e com consistência foi essencial para a segurança de Jucilei (um monstro fora do normal) se soltar e mesmo assim ter tranquilidade para quando precisava marcar pela cobertura dos mesmos três. A entrada de Militão foi algo que muitos já sabiam, qualidade e raça. Menino novo e de muito vigor, joga como se estivesse em Cotia e defende o manto Tricolor com amor e alma. Ontem marcou, correu, se arriscou ao ataque, foi guerreiro e sem medo de se soltar. É muito bom jogador, mais uma cria de Cotia, mas uma posta certeira de Rogério Ceni. Mesmo a defesa estando consistente, brigará sim por posição. É uma pena que as forças européias já possam pensar em contar com o atleta.

Nos soltamos ao ataque e em muitas delas tivemos oportunidades que só não foram convertidas em gol por causa da bela atuação do goleiro Fernando Miguel. A primeira boa defesa veio da cabeçada de Maicossuel, esse que entrou e muito bem e nos 45 minutos em que disputou a partida, se mostrou bem e com muita vontade de estar na equipe titular. Correu e lutou por todas as bolas que pôde. O passado não pode e não deve ser levado em conta, mas sim o futebol que empenha dentro de campo, nisso, Maicossuel em 45 minutos demonstrou que pode fazer e muito bem.

Renan Ribeiro também mostrou um enorme poder de evolução. O goleiro, que sempre foi tratado como primeira opção por grande parte da torcida, entra a cada jogo mostrando cada dia mais segurança e vontade de crescimento. Ontem foi essencial para a vitória, muito seguro quando solicitado e dono de uma sequência absurda de defesas que nos garantiu a vitória uma vez que a equipe Vitoriana se mostrava crescendo na partida.

Precisamos falar novamente sobre Lucas Pratto, ou melhor, apenas mais um comentário sobre Lucas Pratto. Esse homem precisa ter um contrato vitalício com o São Paulo. O que joga de futebol esse rapaz é algo que eu não via há muito tempo nos gramados do Morumbi. Tem vontade, vai atrás de todas as bolas, briga por elas, dribla e se empenha não só por ele, mas pelo time em si. Obrigado, Pratto, mais um vez, obrigado!

Atuações.

Renan Ribeiro: Seguro como sempre e atento em todas saídas de bola. Um sequência de defesas que deram ainda mais segurança ao torcedor. Monstro! 8

Eder Militão: Novo e maduro. Bom na marcação e melhor ainda na saída de bola. Não sente a pressão do profissional e joga forte e seguro. 7,5

Maicon: Vem jogando simples e fazendo o correto. Ontem foi calmo e mesmo quando falhou, levantou a cabeça e jogou para a equipe. 7

Lucão: Assim como Maicon jogou de forma simples e para o time, porém infelizmente em uma falha quase comprometeu. No mais foi bem, principalmente em disputas mano a mano. 6,5

Bruno: Sofre com a fraca marcação, mas sempre chega bem ao ataque e leva velocidade à equipe que pedia isso junto a Marcinho. Bem no geral. 6,5

Jucilei: Joga um futebol que não existe no Brasil. Forte e trombador, nem parece que marca com exímia qualidade e que tem tanta categoria no pé. Contrata o homem, Leco! 8,5

Cícero: Levou a bola ao ataque e tabelou bem com Junior. Foi melhor na marcação e aplaudido quando substituido. 7

Junior Tavares: Como sempre chega muito bem ao ataque e demonstra qualidade nos passes. Falhou em algumas marcações indivudais mas cresceu muito na chegada ao ataque com Maicossuel. 6,5

Marcinho: Primeiramente Parabéns, pelo aniversário e pela vitória! Fez um bom jogo, cai e muito bem pela direita, é homem de confiança de Rogério e faz totalmente a função que lhe é pedido. Um bom jogo novamente. 7

Lucas Pratto: Me desculpem a expressão, mas joga bola para caralho o Lucas Pratto. Monstro demais! 9

Maicossuel: Entrou bem nos seus primeiros 45 minutos de São Paulo Futebol Clube e se mostra muito a vontade em campo. Tem disposição e tudo para crescer na equipe. 7

João Schmidt: Entrou para dar consistência ao meio de campo. Bem na marcação ao lado de Jucilei. 6,5

Wellington Nem: Correu e voltou bem de contusão. Ainda não marcou o dele mas mostra vontade e gana do gol. Um bom jogo. 6,5

Thomaz: Deixa de ser aposta para virar coringa de Rogério de acordo com sua formação. Entrou e deixou o dele, ao lado de Pratto, assim como Marcinho, cresce em campo. 7,5

Rogério Ceni: Fez as mudanças que surtiram efeito no segundo tempo. Arriscou na velocidade de Nem e Thomaz e acertou em levar o time para frente. 8

O Tricolor mantem os 100% de aproveitamento no Morumbi nesse Brasileirão, da alegria aos seus torcedores que tão bem se sentem quando estão em casa e mostra o quanto essa união é importante em todos os jogos.

Que venha o Majestoso agora, na casa do adversário, contra uma defesa sólida e um time que também joga no erro do adversário, porém de maneira mais concisa e postado. É um bom time, mas o dia que eu me preocupar apenas com o adversário, seja lá ele quem for, e não me apoiar e acreditar na equipe que decidi amar, então eu não estarei, como já dito, em sã consciência. Vamos fortes, vamos juntos, até por que, não somos gigantes á toa.

Valeu Tricolor, mais uma boa noite no Sacrosanto e muito, mas MUITO OBRIGADO LUCAS PRATTO. Que jogador fantástico!

VAMOS SÃO PAULO, CARAJO!

Fotos: Mauricio Rummens

São Paulo 2×0 Palmeiras. Solta a valsa que o debutante quer dançar.

prattoclassico(sportv)

Sábado a noite, dia em que todos se programam para jantar, sair com amigos, namorada, sair para dançar, beber a também comemorar datas especiais. Sábado a noite é dia de Morumbi também, como sempre é, como sempre será. Qualquer compromisso, seja lá o que for, que espere, o jogo tem que ser feito, tem que ser visto, segue o amor e solta a melodia que é entrada em campo.

Foi um sábado de clássico, contra o “melhor time do Brasil”, o elenco mais caro, os donos dos gramados brasileiros, porém, como dito por Cícero, dinheiro não faz gol. Gol faz aquele time que joga por amor, aquele time que tem no banco um torcedor, um apaixonado, e não falo só do M1TO Rogério Ceni, mas sim de Lugano, Gilberto e outros que demonstram o amor à camisa São Paulina quando em campo estão. É gratificante ver esse grupo vibrando sempre a cada gol marcado, a cada disputa de bola, a cada defesa feita por nossos goleiros.

Arauuuujo(Marcelo Machado de Mello)

Claro, esse blog preza muito pela seriedade em seus textos, mas não tem como não citar a relação do debuto palmeirense no Morumbi. Pratto, anfitrião da noite, jogando de terno ao lado de Marcinho, Luiz Arauuujo e Junior Tavares. Escolham seus pares, a festa de debutante começou, porém se for chamar sua ex, não esqueça de avisar que mesmo que ela esteja bem, você está muito melhor, não é, Michel Bastos!? Agora são 15 anos sem vencer no Morumbi, 16 em Campeonato Brasileiro. A dança foi feita, o nó foi dado, a calça vinho desapareceu perante ao vermelho das arquibancadas. Socialmente recebemos nosso debutante, como sempre muito bem vestidos, como sempre mostrando que na minha casa mando eu, que na minha casa as coisas são diferentes e que pode deixar que a festa que faz somos nós mesmos, vocês só precisam dançar.

São  Paulo x Palmeiras campeonato Brasileiro 2017

Sobre o jogo.

Foi como sempre um jogo de início tenso e de fortes momentos. Era um clássico, jogávamos contra a equipe mais cara do Brasil, querendo ou não, o respeito era mútuo, nosso pelos títulos que eles conquistaram nos ultimos anos e pelo elenco montado, deles por estarem no Morumbi, um templo de glórias e casa do São Paulo Futebol Clube. Foi percebido que trabalho teríamos, a equipe palmeirense tem um ataque rápido, incisivo e forte, porém, nós também temos um ataque rápido e diferente da equipe verde que veio ao Morumbi, nossa defesa estava em dia melhor, mais bem postada e completa. O uso dos três zagueiros optado por Rogério Ceni foi muito bem. Lucão muito seguro fez novamente um bom jogo, os três zagueiros calmos colocaram os atacantes palmeirenses no bolso, assim como Luiz Araujo que fez Mina perceber que nem todos jogadores são iguais, a correria de Luiz fez o colombiano perder o fôlego e o garoto made in Cotia fez o que de melhor sabe, jogar para o time e marcar seu gol em sua melhor característica, correndo em direção ao gol e finalizando rapidamente.

O jogo também foi o jogo de Marcinho, titular novamente o rapaz que veio do São Bernardo virou homem de confiança de Rogério Ceni. Muito bom jogador, faz bem a função que lhe é dada, seja pelo meio ou pelas alas, nos três jogos foi bem e crava seu lugar na equipe. O bom e barato surge efeito novamente no Tricolor e nós só temos que agradecer à vontade e paixão que Marcinho tem ao entrar em campo. O passe para Pratto ontem foi muito inteligente, uma passe de quem conhece os caminhos do campo e de quem acha o melhor posicionamento do atacante da equipe.

Pratto como sempre foi o homem do jogo. O argentino que com certeza tem todo o potencial para virar ídolo dentro do Morumbi faz jus ao desejo do torcedor. É guerreiro todos os jogos, busca sempre o gol mas sempre busca o gol para a equipe. Ontem marcou mais um no Sacrosanto e deu passe para o gol de Araujo. É muito orgulho o que sentimos de ver Pratto em campo, um orgulho fora do normal. Obrigado Leco, obrigado Pratto.

prattoclassico(gazetapress)

Atuações.

Renan Ribeiro: Pouco trabalho mas como sempre muito seguro em todas as bolas que foi trabalhado. Saltou no canto certo no penalti de Jean e cresceu na batida. Monstro! 7

Lucão: Um bom jogo de um menino sempre contestado. Continuarei bancando Lucão, o menino tem potencial e ontem novamente mostrou isso. Seguro e forte na marcação. 7

Maicon: Fez o líbero dos 3 zagueiros e jogou numa ótima marcação. Mais calmo que nos ultimos jogos. Fez o essencial para a equipe. 7

Rodrigo Caio:  Assim como os outros dois zagueiros foi muito seguro e marcou fortemente o ataque palmeirense. Uma linha defensiva muito bem postada e calma. Rodrigo é seleção e não é por causa de Fair Play, ok!? 7,5

Marcinho: Monstro! É novo, é rápido, é forte e é habilidoso. Joga para a equipe e joga muito bem. Ontem fez um ótimo jogo e seu passe foi de uma mente pensante para a equipe. Parabéns, rapaz! Baita orgulho te ter no time. 8,5

Jucilei: Maquina Tricolor. Ontem marcou os palmeirenses que os fizeram se perder em campo. Colocou todos do meio de campo no bolso. Baita jogador, meu Deus! 8,5

Cícero: É muito importante para a equipe e seu sistemo defensivo, chega bem ao ataque e supre suas funções de trabalhar a bola para o meio de campo. 7

Junior Tavares: Ontem jogou novamente de terno e fez seu papel com completa maestria. Subiu bem ao ataque e levou a bola para a correria de Araujo ser completa. 8

Cueva: Ainda está devendo após a contusão, mas ontem começou a demonstrar um pouco de evolução. Levou novamente a bola bem ao ataque e soube trabalhar bem ela no lado esquerdo Tricolor. 6,5

Luiz Araújo: Arauuuuujo! Voltou o menino. Aquele rapaz que gostamos e nos acostumamos a ver voltou a jogar para a equipe. Rápido, liso e apaixonado pelo São Paulo. Colocou Mina e o lado esquerdo verde no bolso. O muleque é liso! 9

Lucas Pratto: Sobre o Urso eu só tenho algo a dizer. Monstro fora do normal! Obrigado por existir Pratto. Um gol, uma assistência e solta a valsa. 10

Thomaz: Como sempre entrou bem e fez o jogo para o time. Gosto muito de Thomaz e seus contra ataques rápidos são ótimo para a equipe no segundo tempo. Fez novamente o básico em grande escala. 7,5

Militão: Pouco jogou mas entra sempre com vontade. Era clássico e não sentiu o peso do jogo. 6

Chavez: Entrou bem mas teve pouco tempo de jogo. Buscou o mesmo e demonstrou garra. 6,5

Rogério Ceni: Deu um nó tático em Cuca no segundo tempo e mostra como sempre que entende muito de futebol. M1TO faz mitagem né!? 9

tricolorclassico(folha)

Foi mais um jogo em que mostramos nosso poder dentro de casa e o poder de uma equipe forte e unida. Podemos não ser os mais caros, o Real Madrid das américas, na verdade eu não preciso, eu sou o São Paulo, o São Paulo Futebol Clube das Americas, se alguém tem que pensar em ser alguém, que pensem na Europa em ser o São Paulo Futebol Clube.

Que sábado fanstástico! Um jogo fantástico, um time fantástico. Na festa de debutante o Pratto principal foi porco e a dança como sempre a valsa.

Agora a preparação é para o jogo contra a Ponte Preta. Que venha a macaca, em campinas, na terrinha. Estaremos lá, como também no Morumbi.

#UnidospeloSPFC

VAMOS SÃO PAULO, CARAJO!

Fotos: Marcelo Machado de Mello, Rubens Chirri, Sportv, Gazeta Press e Nelson Coelho.

São Paulo 2×0 Avaí. Em casa, como deve ser feito.

Quem foi ao Morumbi na fria noite de Segunda-Feira já esperava uma noite de acolhimento dos torcedores à equipe Tricolor. Empurrados também pela #UnidosPeloSPFC, os torcedores tricolores foram ao Sacrosanto já esperando um publico reduzido devida as ruins mudanças impostas pela CBF, que na próxima rodada, no clássico contra o Palmeiras, também mudou novamente o horário, provavelmente prejudicando novamente o São Paulo em questão de público.

Como sempre, não existe dia ou situação em que o Morumbi se encontre. Mesmo cruzando os caminhos que levam a ele, um pouco mais vazios, a sensação de estar em casa é sempre boa, é inexplicável, é o Morumbi.

Em casa deve-se vencer, deve-se impor, como já dito, se for para sangrar, sangre, se for para se desgastar, se desgaste. Sabemos que é dificil e que nem sempre saimos vitoriosos, mas devemos sempre lembrar que somos os maiores e que nossa história nunca se apagará e sim, sempre continuará em grandes proporções. Estaremos sempre juntos, hoje, amanhã, SEMPRE, unidos pelo São Paulo Futebol Clube!

Foi um jogo pesado, chuva que caiu sobre São Paulo dois dias seguidos, frio e um dia atípico, Segunda-Feira, mas era dia de São Paulo Futebol Clube. A equipe Tricolor se impôs durante todo o primeiro tempo, foi aguerrida e procurou o placar durante todos os minutos iniciais da partida, chegava bem mas parava na forte marcação da equipe adiversária. A ideia foi tentar a bola aérea, e nela, após lançamento de Cícero para Marcinho, a bola sobrou livre e bela para o Urso Lucas Pratto, que num chute forte abriu o placar no Morumbi. A vitória se encaminhava bem durante o primeiro tempo, marcação forte por parte de Rodrigo Caio, Lugano e Jucilei, que juntos formaram uma defesa consistente e concisa e assim soltaram o meio de campo para continuar apoiando o sistema ofensivo.

O Avaí ainda tentou surpreender chegando em algumas situações, porém o sistema defensivo estava muito bem postado e além de guerreiro, foi forte e decisivo. O gol de Pratto foi suficiente para selar a vitória parcial. No segundo tempo um São Paulo diferente, um time que deu espaços para o adversário jogar, claramente o São Paulo que não queremos ver, claramente o São Paulo que nos assusta. Rogério teve que agir rápido após a contusão de Thiago Mendes e soube utilizar bem Thomaz, dando assim liberdade ao meio de campo. A marcação e os espaços dado a equipe catarinense só foram preenchidas após a entrada de João Schmidt, que mesmo um pouco adiantado de sua função, entrou bem e marcou os espaços que davam liberdade ao time azul.

Rogério também foi rápido ao atender o pedido da torcida por Luiz Araújo, o menino que vivia uma fase ruim, entrou bem e fez o que melhor sabe fazer, correu muito, brigou muito e levou o time ao ataque, o resultado foi o mais positivo possível, o gol, depois de jogada individual em seu melhor estilo.

Luiz precisa voltar a adquirir a confiança que o fez ser um dos principais jogadores da equipe. É bom menino, bom jogador e o principal, São Paulino e gosta de jogar com a camisa Tricolor. Fez bom papel ontem novamente, que continue o mesmo de sempre, com alegria e amor ao entrar no Morumbi.

Atuações

Renan Ribeiro: Não teve trabalho no jogo, um susto no início mas seguro no decorrer da partida. 6.

Junior Tavares: Apoiou muito bem o ataque e na primeira etapa foi muito bem na marcação. 6,5.

Rodrigo Caio: Joga muito melhor ao lado de Lugano e se mantem mais calmo. Fez o básico e mostrou a qualidade que o leva para a seleção. 7.

Lugano: Mostro! DI05! É um baita zagueiro e prova que tem muita bola pra queimar ainda. 8.

Buffarini: Foi guerreiro o jogo inteiro e soube marcar muito bem. Seu sistema ofensivo é fraco mas fez o possível dentro das qualidades defensivas. 6,5

Cícero: Essencial no meio de campo em questões defensivas. Arriscou algumas subidas ao ataque sem sucesso mas foi coroado e muito bem com um laçamento que no final resultou no gol de Pratto. 6,5.

Jucilei: Assim como Lugano, joga pelo time, por amor, por vontade. É um tanque em campo os noventas minutos. Tenho dó do adversário que trombe com ele. 8,5.

Thiago Mendes: Chegou bem ao ataque mas foi muito marcado e infelizmente se contundiu. 5.

Cueva: Perdeu muito a qualidade ofensiva após a contusão, mas se esforça nitidamente para voltar a jogar em seu melhor ritmo. Está devendo, mas demonstra vontade. 6.

Marcinho: Joga com vontade e faz o simples. Entrou bem nos dois jogos em que participou e joga pra frente, como manda Rogério. 7.

Lucas Pratto: Como sempre, mostra o por que de quanto quer virar ídolo. Um baita jogador! Busca o jogo a todo minuto e procura o gol toda hora. Foi coroado hoje novamente. 8,5.

Thomaz: Entrou bem mas foi muito marcado e em algumas vezes até maldosamente. Sua qualidade ofensiva é boa e ajuda muito a equipe. 6,5

Luiz Araújo: Voltou a jogar como queríamos. Correu, lutou e se doou. Obrigado menino por voltar. 7,5.

João Schmidt: Importante na marcação que foi inexistente durante quase todo o segundo tempo. Bem em campo. 6,5.

Rogério Ceni: Soube utililzar os melhores jogadores na formação utilizada. Bancou Lugano e mexeu bem na segunda etapa. Fez o principal no pós jogo, bateu de frente com a imprensa que tanto inventa histórias dentro do São Paulo Futebol Clube. 8.

Toda campanha diária de apoio continua, seja ela por todas as páginas em redes sociais que assim como essa se direcionam ao Tricolor, seja por mensagens aos nossos jogadores e a todos que façam parte de nossa equipe, seja encontrando-os e mostrando a eles nossa força de apoio.

O Tricolor volta a campo agora Sábado no Choque-Rei contra o Palmeiras, infelizmente como já dito, novamente prejudicado com a troca de horário. Porém, somos maiores, contra qualquer força externa, contra qualquer um, somos São Paulo!

Continuaremos, independente de dia ou horário, #UnidosPeloSPFC

VAMOS SÃO PAULO, CARAJO!

Fotos: Mauricio Rummens

Mãe, Tricolor ou não, um verdadeiro amor.

Mãe, sorriso é grande, tão grande quanto aquele gol de Libertadores marcado numa final disputada. Tão linda quanto a taça levantada no Mundial que foi ganho. Tão perfeita quanto três campeonatos ganhos seguidamente. Porém, mãe não se compara. É maior que o sentimento que cada um leva em seu dia-a-dia.
Mãe. Aquela pessoa que nos afaga quando as lágrimas descem após uma desclassificação, que junto nos alegra após um título, que grita gol com a gente e mesmo sendo antes da hora, a gente perdoa e até ri. Aquela que nos pergunta quem é nosso goleiro hoje e que vai ao estádio xingar o juiz.
Mãe. Geralmente aquela que nos dá nossa primeira camisa e que em muitas das vezes começa a torcer por nossa causa.

Mãe é vida, é amor, é emoção. Jamais ser comparada porém estando sempre ao nosso lado ajuda a crescer e florecer a vida Tricolor. Sorte daquele que pode levar sua mãe a vida que levamos diariamente e sempre muito amor aquelas que mesmo não tricolores, nos fazem sempre as pessoas mais completas desse mundo.

A todas as mamães São Paulinas e também àquelas não Tricolores ou que não torcem um Feliz Dia das Mães!
Amamos vocês mais que tudo em nossa vida e agradecemos cada dia por cada puxão de orelha e por casa ensinamento que recebemos.

Obrigado por tudo!

Um Coração de Cinco Pontas & São Paulo Mil Grau 

Internet dos anos 90, obrigado por não ter existido.

Telê(sãopaulofc.net)

Hoje em dia a gente é muito incisivo, o poder de comunicação e completamente alto o alcance está a apenas um toque no enter do computador ou no clique do mouse. É ele que pode fazer um jogador de futebol ser finalista e campeão do gol mais bonito de uma temporada, como também pode fazer ele ser excluído de uma equipe ou amargar o banco, as não relações à equipe e também a falta de jogos e uma possível negociação, saindo do time por completo.

A internet é boa, com certeza nos economiza tempo, dinheiro e nos aproxima das pessoas e de nossos ídolos e desafetos. Aaah a internet, quem diria que lá em 2000, 2001 em minhas primeiras pesquisas para a escola, ela seria tão importante para todos os trabalhos que faço durante o dia, durante o tempo em que fico acordado. Sim, a internet mudou, nos deu conquistas, mas graças a Deus ela não era tão frequente no começo dos anos 90 e até mesmo em meados dos anos 2000.

Telê Santana chegou ao São Paulo em 1990, após as primeiras rodadas do Brasileirão que começara após a Copa do Mundo. Era taxado de pé frio por inumeros vice-campeonatos e de ver times que antes estavam em filas de títulos, conquistarem o caneco em cima de suas equipes. Chegara ao São Paulo para manter uma imagem de bom técnico e de quebrar o problema que o acompanhara durante anos. Mudou, o bom time do Tricolor, chegou à final do campeonato contra o rival Corinthians e o pé frio de Telê novamente batia a porta, era o primeiro título brasileiro do rival.

Chegou 1991 e os primeiros jogos de Telê no Brasileiro, três derrotas consecutivas, porém a permanência do Técnico foi novamente mantida, após o título do ano anterior perdido e as derrotas consecutivas, Telê foi mantido. Mesmo sendo em muitas das vezes criticado e também tratado por alguns como carrasco, foi mantido, e mantido nos deu o título do paulista de 1991 contra o Corinthias e do Brasileiro do mesmo ano contra o Bragantino.

1992 se iniciou e Telê mantido novamente. Enquanto jogava a competição nacional em paralelo com a continental, Telê usou muitas equipes mistas, numa delas um revés de 3×0 para o Criciuma na Libertadores e uma goleada sofrida por 4×0 contra o Palmeiras pelo Brasileiro. O resto da temporada nós sabemos, assim como sabemos o ano que se seguiu e o que com eles ganhamos.

Telê era gênio, era fora da caixinha, foi nosso maior técnico e nos moldou a ser o que somos hoje, imaginem se na época de Telê, com as inúmeras derrotas, goleadas sofridas, desafesto de torcedores e dirigentes, a internet fosse presente…

Mundial93jpg

Anos depois as glórias voltaram, a Libertadores ganha novamente, o mundial com aquela conquista heróica que passou de Rogério até chegar a Aloísio e Mineiro e 2006 se iniciar e com ele voltar mais uma figura certa do abcdário Tricolor, Muricy Ramalho.

Muricy(spfc.net)

Até então tratado como campeão moral do Campeonato Brasileiro de 2005 pelo Inter, o bom filho a casa tornara. Muricy assim como Telê tinha respaldo de torcedores e dirigentes e também muitos desafetos de ambos por seu jeito decidido e carrancudo. No Paulista de 2006, jogos perdidos no Morumbi, escalações criticadas e o segundo lugar, perdido para o Santos.

A Libertadores caminhava de boa maneira, bons jogos no Morumbi e fora também, porém, as escalações continuaram criticadas. Muricy pouca atenção deu, chegou a final da competição continental e enfrentou seu antigo Internacional, novamente após a Copa do Mundo, novamente uma derrota, agora em ano diferente, com técnico diferente. Mujica balançou, foi taxado para sair, pois carregava um time campeão mundial em mãos e perdera dois títulos. Muricy foi mantido e com ele o Tetra veio, com ele o Penta veio, com ele o Hexa veio. Sim, não ganhamos a Libertadores nesses anos e nem Paulistas, porém a permanência do técnico foi mantida, o trabalho foi mantido e a inernet que começava a expandir os comentários hatters não chegara ainda aos pés que ela tem hoje.

MuricyTRI(Imortais do Futebol

Muricy se despediu do Tricolor em 2009 e voltou ao Sacrossanto em 2013, nos livrou de uma ameaça de rebaixamento, enfrentou pela primeira vez a internet e pessoas pedindo sua cabeça, levantou o Tricolor e em 2014 foi vice-campeão brasileiro. Saiu no ano seguinte para cuidar de sua saúde e graças a Deus mesmo enfrentando a internet, tem todo apoio do torcedor Tricolor.

Imaginem vocês se a internet que hoje tanto derruba jogadores e técnicos estivesse presente com Telê em seus momentos de derrotas, não o permitindo continuar o trabalho que tantas glórias nos deu. Imaginem a internet ao lado do começo de trabalho de Muricy, não o permitindo ser Tri-Hexa.

Por favor, saibam que a internet está ao nosso lado para nos deixar mais perto de nossos ídolos, para nos auxiliar a crescer o conhecimento que temos sobre e para fazer com que possamos dar opiniões inteligentes sobre determinado assunto. Não tem sentido buscar a cabeça de um jogador ou de um treinador por apenas 5 meses de trabalho, não tem sentido perseguir jogador e pedir sua saída. O papel do torcedor é apoiar, independente do momento ou do que esteja passando sua equipe. Pode cobrar? sim,  mas cobrar com apoio, indo ao estádio, apoiando e incentivando.

Rogério é ídolo, é profissional e assim como Telê e Muricy é São Paulino, quer o bem do São Paulo e a vida ao São Paulo. Assim como nós, vibra a cada gol marcado, xinga a cada gol sofrido, chora a cada derrota e grita e sorri a cada vitória.

Deem tempo para Rogério, deem o tempo que Telê teve para fazer história, que Muricy teve para criar outra história e deem tempo para Rogério ESCREVER HISTÓRIA e nos dar mais um capítulo dessa maravilhosa história que é chamada São Paulo Futebol Clube!

Deem tempo, o sorriso de Telê é inspiração a esse tempo.

Obrigado por tudo mestre, com você aprendemos que com o tempo não alcançamos a perfeição, mas perto dela conseguimos chegar. Amamos você!

Telê(Lance)

VAMOS SÃO PAULO, CARAJO!

Fotos: Lancenet, São Paulo Futebol Clube e Imortais do Futebol.